Conheça 6 tipos de frete e as suas características

6 minutos para ler

Você já sabe quais são os principais tipos de frete e suas características? Conhecer todas essas informações é imprescindível para qualquer dono de transportadora ou empreendedores que estejam vinculados a esse tipo de serviço, uma vez que esse conhecimento poderá influenciar a maneira de cobrança.

Devido ao enorme crescimento da modernização nas operações de transportes, diversos tipos de serviços e de frete têm surgido no mercado atual. Diante disso, é muito importante que você os conheça minuciosamente, estando por dentro de cada detalhe.

Pensando nisso, preparamos este post para falar sobre os 6 tipos de frete e as suas características. Ficou curioso? Então, continue a leitura e confira!

Quais os principais tipos de frete?

Atualmente, a logística brasileira exerce um forte poder e tem um elevado destaque na economia. Sem a atuação dela, grande parte dos setores não alcançaria os seus objetivos e não conseguiria realizar os desejos dos consumidores finais.

Essa área é bastante ampla e abarca vários processos. Quando a finalidade é o transporte de cargas, as corporações estão sempre direcionando o foco ao cliente. Com isso, o principal objetivo é elaborar estratégias que proporcionem um serviço de alta qualidade, com preços bons e alta segurança.

Pensando com responsabilidade e dedicação, você ganhará a fidelidade dos seus consumidores!

Como foi dito acima, há diversos tipos de frete; por isso, apresentaremos abaixo os principais.

CIF

CIF significa Cost, Insurance and Freight — traduzindo para o português: Custo, Seguro e Frete. Esse tipo de frete indica os mais diversos custos que existem ao embarcar alguma mercadoria. Nessa modalidade, o fornecedor é responsável por todos os custos a serem pagos e por todos os riscos que podem acontecer com a entrega do produto.

Explicando de forma mais clara, todos os custos deverão ser pagos na origem da carga. A corporação que contratar o serviço será também responsável pelo manuseio e pela entrega da mercadoria ao consumidor. No entanto, na realidade, esse custos acabam sendo diluídos no valor final a ser pago pela mercadoria.

Outra questão bem interessante desse tipo de frete é o fato de que o produto só pode ser considerado “entregue” quando ele estiver finalmente sob a posse do cliente.

O CIF é bastante importante para as instituições que vendem os seus produtos diretamente para o cliente. Isso é uma maneira mais eficaz de atrair e desencadear uma experiência bem mais tranquila aos consumidores, ainda que gere responsabilidades aos fornecedores.

FOB

FOB significa Free On Board — traduzindo para o português: livre a bordo. Nessa modalidade de frete, quem compra a mercadoria é que assume todos os possíveis riscos que poderão acontecer e os custos com o transporte do produto.

Note que o processo dessa modalidade é o oposto da CIF. Além disso, nessa metodologia, é o cliente o responsável pelos processos logísticos, pelo pagamento do frete e pelo seguro. Todavia, isso só é realizado depois da entrega o produto.

O FOB é bastante utilizado em negócios B2B (entre corporações). Isso acontece quando os envolvidos na transação detêm conhecimento suficiente sobre transportes e geralmente têm parcerias com algumas transportadoras, o que torna o processo mais fácil e ágil.

Normal

Para que você consiga entender os diversos tipos de serviço e frete, é necessário começar por esse princípio. O frete do tipo “normal” configura-se de modo que a transportadora coleta o produto no remetente e faz a devida entrega ao cliente, não utilizando outra transportadora.

Esse tipo de modalidade é mais utilizado por transportadoras, sendo aplicados diversos impostos direcionados para o tipo de regime da corporação ou de acordo com a legislação do seu estado.

Subcontratação

A subcontratação é utilizada quando a transportadora não quer usar ferramentas próprias para fazer uma entrega e acaba contratando outra instituição empresarial para realizar esse serviço.

Atualmente, os prazos de entrega têm sido cada vez mais reduzidos, diante do vasto mercado competitivo; para isso, há práticas que garantem a agilidade, proporcionando uma entrega eficiente. Além disso, tem-se buscado expandir rotas, com o intuito de conquistar novos consumidores.

As corporações que se enquadram nesse tipo de frete geralmente não utilizam CT-e, a não ser que a empresa contratante exija, ou podem emiti-lo sem a incidência de impostos. Para tirar dúvidas sobre se a sua empresa se encaixa ou não nesse ponto, consulte um contador de sua confiança.

Redespacho

Esse tipo de frete é bem similar à subcontratação. Porém, há diferenças, deixando explícito eles que não podem ser confundidos.

Na realidade, no transporte subcontratado, a transportadora contrata alguma outra transportadora para fazer a mesma rota que ela faria. Já no redespacho, a transportadora principal utiliza outra transportadora para fazer a rota seguinte, uma vez que ela mesma faz a trajetória que deveria ser realizada por ela.

Resumindo, a transportadora principal realiza a primeira rota, e o redespacho realiza o trajeto seguinte.

Fracionada

Esse tipo de carga viabiliza o transporte de poucos produtos ou mercadorias de pouco volume. Diante disso, o veículo que é utilizado para transportar a carga acaba sendo preenchido com mercadorias de vários consumidores.

Exemplificando: pense que diversos varejistas da cidade de São Paulo contrataram uma determinada transportadora. Um deles vendeu um notebook, outro vendeu um celular, e um terceiro, um sapato. Todos eles terão Belo Horizonte (MG) como destino final de entrega.

Nessa modalidade, o mais interessante e recomendável de tudo é que as cargas sejam transportadas de modo fracionado, como também é importante que as corporações dividam os custos finais do frete.

Quais são os tipos de transporte?

Para finalizar, ressaltarei os tipos de transporte:

  • nacional: esse tipo de corporação está localizada em território brasileiro;
  • internacional: esse tipo de transporte é o relacionado a importação e exportação. Vale ressaltar que deve cumprir as regras e as leis existentes nos territórios envolvidos.

Conseguiu entender um pouco mais sobre os tipos de frete e as suas características? Vale pontuar que, para atingir o sucesso e reconhecimento nesse ramo, é imprescindível ser organizado, responsável e estar sempre por dentro das inovações.

Gostou do nosso post? Então, veja quais são os 5 principais desafios da logística na atualidade.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-