O uso do block chain na cadeia de suprimentos

6 minutos para ler

Não é nenhuma novidade associar o uso da tecnologia a qualquer área da logística em dias atuais. Afinal, ferramentas, conceitos, métodos e sistemas surgem a cada momento, proporcionando uma verdadeira transformação digital nas empresas e indústrias do setor. Um exemplo prático disso tudo é a aplicação do blockchain na cadeia de suprimentos!

Se você quer entender melhor do que se trata esse tipo de tecnologia, como ela é aplicada na logística das empresas e, principalmente, quais os benefícios que ela gera ao negócio, continue conosco até o final deste post e não perca as dicas e informações úteis que trouxemos aqui! Sendo assim, boa leitura!

Afinal, o que significa blockchain?

O termo “blockchain” pode ser associado a um tipo de “protocolo de confiança”, tendo em vista o seu funcionamento e finalidade. Na prática, se trata de uma tecnologia capaz de registrar todos os dados de uma forma descentralizada.

Ou seja, bem diferente do modelo mais conhecido, usado pela grande parte das empresas, o blockchain não utiliza uma rede de comunicação convencional que armazena as informações em um único local.

Ele funciona com bases de dados distribuídas e compartilhadas com a função de criar um índice global, capaz de controlar toda e qualquer troca de informação. Sendo assim, as operações realizadas são registradas e disponibilizadas para conferência com o máximo de dados detalhados, como de onde, quando e quem as fez.

No entanto, no blockchain, tudo é compartilhado, possibilitando uma transação entre os envolvidos sem a necessidade da intermediação de uma terceira parte. É como se o “participante” tivesse uma cópia de um livro-razão.

Como funciona o blockchain na cadeia de suprimentos?

Quando se fala de supply chain, logo associamos a uma série de processos complexos de uma cadeia, desde a compra de insumos até a entrega do produto final ao consumidor. Todo esse cenário depende de um ciclo de acontecimentos e etapas que, inevitavelmente, engloba troca de dados e registros das operações.

Ao implantar o blockchain na cadeia de suprimentos, consequentemente, há uma transformação nesses processos. De começo, a tecnologia possibilita o registro contábil das transações de forma centralizada. Depois, permite, também, monitorar cada etapa do supply chain muito mais precisamente.

Por exemplo, uma empresa do ramo alimentício pode rastrear seus itens, respeitando especificidades como o número de lote, origem, tipo de SKU, validade, entre outros aspectos.

Quando se registram essas operações de forma descentralizada, como blockchain na cadeia de suprimentos, a empresa deixa de depender das informações do produtor e monitora esses processos por conta própria.

Quais os benefícios do blockchain na cadeia de suprimentos?

Como toda e qualquer tecnologia aplicada à logística, a finalidade é sempre otimizar os processos internos, aumentar os controles, melhorar a vida financeira da empresa e, por fim, possibilitar melhores experiências nas entregas.

Para exemplificar melhor, abaixo, preparamos uma pequena lista com as principais vantagens do uso do blockchain na cadeia de suprimentos. Vamos conferir?

Redução de custos operacionais

A partir do momento em que a empresa ganha o poder de monitorar seus itens e dados de forma mais eficiente, ela promove um controle maior sobre o uso de seus recursos. Ou seja, o risco de desperdício ou perdas, por qualquer que seja o motivo, passa a ser reduzido.

Se levarmos em consideração, por exemplo, produtos alimentícios ou farmacêuticos, que, naturalmente, têm características e especificidades bem destacadas, o uso do blockchain na cadeia de suprimentos se torna algo estratégico e que pode influenciar diretamente a prevenção de perdas e prejuízos, podendo, inclusive, aumentar o faturamento do negócio.

Mais transparência

Indiscutivelmente, o uso do blockchain na cadeia de suprimentos garante informações seguras e transparentes, sem a possibilidade de alterações ou mudanças propositais, além, claro, de elas sempre estarem à mão dos responsáveis envolvidos e nunca centralizadas em um indivíduo só.

Trazendo isso para um exemplo prático, os fornecedores de uma empresa poderão acompanhar, de perto, toda a cadeia de suprimentos do cliente e, dessa forma, se planejar para repor os insumos no momento e nas quantidades certas. Além disso, a empresa consegue estabelecer uma imagem de confiança perante seus clientes.

Substituição dos sistemas EDI

Ainda é comum ver empresas com sistemas EDI (Intercâmbio Eletrônico de Dados), com o intuito de transmitir dados entre suas partes. No entanto, esse tipo de sistema funciona baseado em pacotes grandes de dados transmitidos em intervalos de tempo já estabelecidos, e nunca em tempo real.

Ou seja, se uma entrega simplesmente “sumir do mapa” ou se os preços de um insumo forem alterados, os demais envolvidos só saberão do ocorrido após a próxima transmissão do EDI — e, sinceramente, em certos casos, esse delay pode arruinar a operação.

Integração de dados

Sem dúvidas, uma das maiores dificuldades de uma supply chain é conseguir a integração de dados e informações em tempo real e entre todos os envolvidos em uma operação.

Já com o uso do blockchain na cadeia de suprimentos, isso se torna possível e viável, já que todas as informações podem ser inseridas por qualquer participante e compartilhadas, automaticamente, para os demais setores e pessoas.

Ou seja, isso traz agilidade e segurança, mas, principalmente, possibilita que a troca de informações e dados se dê online, sem demoras ou intermediários.

Adequação às novas demandas do mercado

Não faz muito tempo, a União Europeia criou regulamentações para empresas fornecerem informações e dados mais precisos sobre suas mercadorias, com o intuito de melhorar a fiscalização e garantir maior qualidade e transparência aos consumidores.

No Brasil e no resto do mundo, o mercado caminha para o mesmo lado, e, cada vez mais, o governo e as próprias empresas precisam passar por atualizações para atender a novas demandas e regras, especialmente quando se trata de produtos de consumo alimentar ou de saúde, como remédios e cosméticos.

Essas foram nossas dicas e informações sobre o uso do blockchain na cadeia de suprimentos. Sem dúvidas, o uso desse tipo de tecnologia visa não somente a facilitar a troca de dados entre envolvidos em uma operação, mas deve ser visto também como uma estratégia de diferenciação, capaz de otimizar os processos de supply chain, reduzir custos operacionais e riscos de perdas e, principalmente, garantir um controle e qualidade de excelência dos produtos oferecidos.

Gostou do post? Então, não deixe de compartilhá-lo nas suas redes sociais com seus amigos e outros profissionais de logística e difunda o uso do blockchain na cadeia de suprimentos!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-